Pai da bebê que está internada em estado grave não acredita na versão da namorada de que filha caiu da cama, em Anápolis

Médicos dizem que ferimentos não são compatíveis. Conselho Tutelar e Polícia Civil investigam se madrasta espancou a menina.


A criança de 1 ano que pode ter sido espancada na casa da madrasta, em Anápolis, continua, nesta segunda-feira (9), internada em estado grave no Hospital Estadual de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), em Goiânia. O pai da menina, que estava trabalhando quando a namorada ligou dizendo que a criança havia caído da cama, não acredita na versão dela.

“Eu não posso dizer que ela fez uma coisa mais grave porque tem que sair o laudo, mas dá para ver que, se foi uma queda, não foi de uma altura de uma cama, porque uma cama box é coisa de 80 centímetros para causar o que ocorreu com ela”, comentou.
Segundo ele, o médico que fez o primeiro diagnóstico do estado de saúde da criança afirmou que não se trata de uma “simples queda de cama”.

“Até então estava parecendo que tinha sido uma queda normal, estava inchado um pouquinho. Mas só que depois a gente chegou aqui, o médico fez o primeiro diagnóstico e falou que aquilo não poderia ter sido uma simples queda de cama”, disse.
O pai conta que a madrasta da menina mantém a versão de que deixou a criança na cama e a encontrou no chão.

“Ela sempre falou a mesma coisa, que tinha dado banho na criança, que pôs em cima da cama e foi no outro quarto pegar a roupinha. E quando escutou ela chorando, foi lá e ela estava caída de barriga para cima, e também ela já parou de chorar e ficou desacordada”, disse.
Expectativas da mãe
Com esperanças de que a filha se recupere das lesões, a mãe da menina quer saber o que aconteceu com a filha.

“Tudo o que eu quero também é descobrir como foi que aconteceu, e o porquê também. Mas, acima de tudo, confiante no Deus que a gente tem, que o meu Deus é um Deus de milagres e que somente ele pode salvar a minha filha nesse momento”, disse, emocionada.

Suspeita de agressão
O caso aconteceu na noite de quarta-feira (4) na casa do pai e da madrasta da criança, em Anápolis. Segundo a conselheira tutelar Roselei Monteiro, o pai da menina estava trabalhando, quando recebeu a ligação da namorada dizendo que a criança havia “caído da cama”.

A própria madrasta acionou o Samu, que já encontrou a menina desacordada. Em razão da gravidade, a criança precisou ser transferida de um hospital de Anápolis para o Hugol.

A suspeita de agressão surgiu depois que os médicos avaliaram a criança e estranharam a gravidade das lesões, que não seriam compatíveis com uma queda da cama. A equipe médica entrou em contato com o Conselho Tutelar, que registrou o caso na delegacia.

A Polícia Civil de Anápolis investiga o caso.

Exame
Devido à gravidade dos ferimentos, a delegada solicitou, em caráter de urgência, que um exame de corpo delito fosse realizado por um médico perito no sábado (7).

“Assim que se colocou que o estado da criança era grave, a mãe solicitou que fosse feito um exame pelo perito do IML para saber qual é a situação da criança. A delegada solicitou em caráter de urgência que o exame fosse feito no próprio hospital”, explicou Roselei Monteiro.

FONTE: G1

Jornalista Mário Prata / Celular e WhatsApp 24hs/ (61) 99142-6437

Nenhum comentário

TV Mário Prata

Tecnologia do Blogger.