Funcionário de chácara suspeito de matar idosa confessa crime, diz delegada

  Apesar de admitir homicídio, homem não foi preso. Mãe convenceu jovem a se apresentar à polícia, mas ele foi liberado após prestar depoimento, pois não havia mandado de prisão contra ele, nem situação de flagrante.



O suspeito de matar a facadas a idosa Dalva Pimentel, de 72 anos, na chácara onde ela morava, em Aparecida de Goiânia, confessou o crime durante depoimento, de acordo com a delegada Ilda Helbingen. Flenis Soares Gomes, de 25, era funcionário da chácara. Ele foi convencido pela mãe a se apresentar à polícia. Apesar de confessar o assassinato da aposentada, ele não foi preso.

Segundo a delegada plantonista, o funcionário da vítima não foi preso pois já havia passado o prazo de flagrante, e não havia mandado de prisão contra ele.

“Infelizmente não tivemos como [prender]. Tentei entrar em acordo com o juiz plantonista, mas, infelizmente, não pude fazer muita coisa não. Seria abuso de autoridade mantê-lo aqui”, explicou.

Helbingen disse que o funcionário matou a idosa para roubar.

“Ele admitiu que tinha bebido e feito uso de substância entorpecente, e que começou a briga com ela, e quando viu ele estava com as mãos sujas de sangue, o corpo dela no chão, ele se apavorou, pegou o carro dela e fugiu. Mas sabemos que não é isso. (...) Ele matou para roubar”, afirmou.

Mãe convence filho a se apresentar
A mãe de Flenis Soares Gomes foi quem convenceu o jovem a se apresentar à polícia. Ela disse que se sente mais “aliviada” em leva-lo para pagar “pelo que fez”.

“Se ele errou, vai pagar. Porque eu tive no lugar, eu sei, dos parentes deles... Eu não quero isso para ninguém, isso que estou passando. Não quero (...) A gente se sente mais aliviada a hora que traz ele para pagar pelo que fez. Ninguém em cima dessa terra pode tirar a vida de ninguém”, disse, emocionada.
A mulher também disse que não quis saber detalhes de como o filho assassinou a idosa por ser muito “doloroso”.

“Não apertei, não quis saber de detalhe. Gente, a dor... Como é que eu vou querer saber de detalhe, eu falo ‘meu Deus, não quero”, comentou. De acordo com o delegado Diogo Barreira, responsável pelo caso, Flenis Soares trabalhava na chácara da aposentada de segunda a sexta-feira. O crime aconteceu no sábado (14), mas o corpo da idosa só foi encontrado na segunda-feira (16). Nessa data, o suspeito não apareceu mais para trabalhar.

Ainda segundo o delegado, o jovem já possui vários antecedentes criminais. Ele já foi preso quatro vezes por crimes como furto, receptação, furto de veículos, roubo, e agora é investigado por latrocínio.  Barreira disse que o funcionário estava “descontente” com as ordens que a idosa passava para ele na chácara.

“Segundo as testemunhas, ele já estava descontente com o tratamento que recebia da vítima. A vítima às vezes cobrava algumas coisas dele do serviço, não estava satisfeita com o trabalho que ele estava desempenhando, e isso deixou ele muito irritado com ela”, disse.

O delegado disse que ia solicitar um mandado de prisão contra Flenis Soares ainda na sexta-feira.

FONTE: G1

Jornalista Mário Prata / Celular e WhatsApp 24hs/ (61) 99142-6437

Nenhum comentário

TV Mário Prata

Tecnologia do Blogger.